21-06-2016

Exportar para crescer é o conselho de Paulo Cunha para as PME

| 'O papel da AICEP na internacionalização das empresas portuguesas' (download) |

É uma constante nos discursos dos especialistas e ontem ficou bem vincada em Vila Nova de Famalicão: é fundamental uma forte componente exportadora para dar mais dimensão à economia de um território. Para muitos assume mesmo contornos de inevitabilidade. Para o presidente da Câmara Municipal é antes uma questão de “ambição” que “tem de fazer parte do ADN empresarial”.

Paulo Cunha falava numa conferência dedicada às oportunidades de negócio em França e a estratégia da autarquia neste capítulo é clara: “É verdade que nos preocupamos com as empresas que já exportam, mas não é menos verdade que nos preocupamos ainda mais com as empresas que não exportam. É óbvio que queremos que as grandes e as médias empresas exportem cada vez mais, mas sentimos que somos mais úteis, e porventura imprescindíveis, para os projetos empresariais que estão a dar os primeiros passos. É aqui que concentraremos muita da nossa energia.”

A sessão que marcou o regresso de ‘Famalicão Made INternational’, iniciativa da Câmara Municipal que visa capacitar as empresas famalicenses para a exportação tendo em vista o alargamento da base exportadora do concelho, teve na apresentação dos quatro ‘Embaixadores Famalicenses em França’ um dos momentos altos da sessão.

Rui Carvalho (Porminho), Antoine Michel (Evoludis), Thierry Ferreira (CMI) e Mário Almeida (NH Clima) são empresários que conhecem bem o mercado francês e que ontem se disponibilizaram para aconselhar as empresas famalicenses que desejem explorar comercialmente as suas potencialidades, numa ação que conta com a cooperação da AICEP – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, representada nesta conferência por Luís Reis.

“Estes quatro empresários assumiram o compromisso de ajudar a economia famalicense. É uma forma excelente de cidadania ativa e de responsabilidade social das empresas”, ilustra Paulo Cunha.

Quatro conferências, dezasseis sessões práticas

Aliás, o painel de convidados foi unânime nos elogios à Câmara Municipal por promover uma iniciativa que procura estreitar a cooperação económica entre os dois países e alavancar o tecido empresarial do concelho famalicense. Laurent Marionnet, Diretor-geral da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Francesa, salientou mesmo que se trata de um “bom exemplo do poder público de Vila Nova de Famalicão ao serviço do crescimento da sua economia”. Enquanto que Luís Reis, da AICEP, lembrou a pertinência desta iniciativa num “concelho que já é exemplar nas exportações portuguesas”.

Famalicão é o terceiro município mais exportador do país e a principal economia industrial do Norte. “Mas isso não nos afaga o ânimo”, afirmou o edil, para quem esses indicadores aumentam a responsabilidade da autarquia no sentido de potenciar a vocação exportadora que caracteriza o município.

Para além desta conferência, ‘Famalicão Made INternational’ reserva mais três sobre as oportunidades de negócio noutros tantos mercados externos – Japão (16 de setembro), Estados Unidos (20 de outubro) e Alemanha (21 de novembro). Cada uma será complementada com quatro OFICINAS DE EXPORTAÇÃO (inscrições), sectoriais e de natureza prática, no Gabinete de Apoio ao Empreendedor.


Conferências MadeINternational

França | 20 de junho
Japão | 16 de setembro
Estados Unidos | 20 de outubro
Alemanha | 21 de novembro

EMBAIXADORES EMPRESARIAIS DE FAMALICÃO EM FRANÇA

Partilhar ››

‹ VOLTAR